Pular para o conteúdo principal

As Artes e a Economia | A dura realidade | Tony Casanova

  Uma das mais belas formas de Arte, na minha opinião sejam as Esculturas.do antigo período ou contemporâneas, elas são mágicas, quase que reais e com um grande poder de encantamento. E são as esculturas apenas mais uma das formas de expressão artística que conhecemos. Quem não se encanta com o Teatro, a Dança, a Música, a Pintura, os Livros, o Cinema. Seria magnífico se hoje a realidade brasileira fosse diferente e o Governo resolvesse trazer além dos muros das faculdades e escolas, todo acervo artístico que o Brasil possui. Infelizmente as Artes não fazem parte do cardápio brasileiro, não porque não existam, mas porque não nos ensinaram a degustá-las senão nas escolas. É pública e notória a enorme quantidade de artistas que o País possui, mas poucos vivem das suas obras. Este fato deve-se primeiro a ausência de consumo no ramo, segundo á falta de incentivo a quem produz, terceiro a falta de estrutura para acolher, apresentar e comercializar a produção. Afirmar que não temos políticas voltadas para o incentivo a Cultura e a Arte é inverídico, existem Leis de apoio sim, mas infelizmente o processo é tão burocrático e difícil que atinge somente as "celebridades", deixando de lado aqueles que ainda não tem reconhecimento. Poucas pessoas fora do meio artístico sabem da burocracia de se conseguir apoio legal para um projeto cultural, pensa-se então que os artistas "não querem" participar. Não é verdade! O fato é que as Leis existentes voltam-se a grosso modo ao âmbitos do Teatro, Cinema e Televisão, deixando a maior fatia de artistas de fora. Não é difícil termos a impressão de que Arte no Brasil se resume apenas a estes ramos. 
  O que vivemos é um jogo político onde se apoia quem apoia e uma Lei que deveria ser de incentivo, acaba incentivando apenas o que lhe oferece retorno. Uma Economia como a nossa, cujo empresariado explora de tudo menos as Artes não poderia viver sem crise. Um País que ainda não descobriu o potencial e a força do comércio de Artes não pode reclamar dos dias ruins que atravessa. Um pouco fora do panorama artístico, mas dentro da esfera da Cultura, observemos os esportes. Nos fica a impressão de que esporte no Brasil é somente Futebol, então cria-se todo um aparato de logística, estrutura e comércio em torno deste esporte, enquanto as gerações que chegam começam a esquecer de esportes que por décadas estiveram presentes nas escolas, nas ruas e nos locais de lazer como Handebol, Vôlley, Basquete, enfim. Quando a mídia se envolve esbarra na falta de estrutura dos Estados na área de esportes. O que temos são quadras, muitas vezes em tamanhos menores que o oficial, situadas em locais privados, cujo acesso denota uma burocracia tal que inibe a vontade de qualquer infante á prática de algum esporte. 
  Voltando ao tema das Artes, lanço aqui uma proposta aos Senhores Reitores, Administradores de Instituições Acadêmicas do Brasil: Reúnam seus alunos das áreas de Artes e promovam um Projeto inédito no País. Ponham os alunos para garimparem nas ruas dos seus Estados, artistas que ali fazem mostras dos seus trabalhos. Que os alunos julguem, de acordo com suas áreas de formação acadêmica e apresente estes trabalhos á público com o aval de classe. Juntem todo este material recolhido em todos os Estados e promovam um enorme catálogo digital de artistas. Solicitem apoio governamental para isso. Busquem nas escolas, nas residências, nos locais de trabalho. Sempre existe um artista "escondido" trabalhando e que precisa ser catalogado e reconhecido. Que a academia reconheça os valores culturais daqueles que não tiveram chance de chegar a ela, mas que produzem diariamente obras geniais e que agregam importante valor cultural á memória do País. 
  Que se abram as portas do comércio para que os artistas tenham a dignidade de viverem da sua arte e que eles possam através deste comércio, fortalecer a economia, gerar riqueza e renda para o Brasil. Que a Arte deixe de ser marginal e passe a tornar-se um símbolo na nossa Bandeira e que por fim nos tornemos o maior produtor de Artes que o mundo já viu. Há potencial, sim! O que falta é vontade política, vontade solidária e visão empresarial. Muitos artistas nascem e morrem sem nunca terem seus trabalhos reconhecidos. Morrem no anonimato sem nunca terem contribuído para a economia. É preciso que a Arte deixe de ser um privilégio acessível a poucos e passe a ser um Direito de todos, desta forma todos lucrarão e enfim os artistas poderão sossegar e viver do que produzem.

  Texto do Escritor Tony Casanova. Todos os Direitos estão reservados ao autor sendo proibida a cópia, colagem, reprodução em qualquer meio ou divulgação de qualquer natureza do todo ou parte dele, excetuando-se os compartilhamentos em redes sociais  cujos créditos do conteúdo do autor e de terceiros sejam resguardados e o conteúdo mantido intacto como se apresenta nesta página. A violação destes Direitos constitui-se crime e está passiva de punição legal cabível de acordo com as Leis Brasileiras e Internacionais de Proteção aos Direitos de Propriedade Intelectual.

.........................................................................................................

The Arts and the Economy | The harsh reality | Tony Casanova

 One of the most beautiful forms of art, in my opinion are the ancient period or contemporary Esculturas.do, they are magical, almost real and with a great power of enchantment. And the sculptures are just one form of artistic expression that we know. Who does not get mesmerized by the Theatre, Dance, Music, Painting, Books, Cinema. It would be wonderful if today the Brazilian reality was different and the Government decided to bring beyond the walls of colleges and schools, all art collection that Brazil has. Unfortunately the Arts are not part of the Brazilian menu, not because they do not exist, but because they taught us to taste them but in schools. It is public and notorious slew of artists that the country has, but few live of their works. This fact one must first the absence of consumption in the industry, according to the lack of incentive for those who produce, third the lack of infrastructure to host, present and market the production. Say that we do not have policies for encouraging the Culture and the Arts is untrue, there are support laws yes, but unfortunately the process is so bureaucratic and difficult to reach only "celebrities", leaving aside those who do not already have recognition. Few people outside the art world know of bureaucracy to get legal support for a cultural project, it is thought then that artists "do not want" to participate. Is not true! The fact is that existing laws back to roughly the levels of Theatre, Film and Television, leaving the lion's share of artists from outside. It is not difficult under the impression that art in Brazil comes down only to these branches.
  What we live is a political game where it supports those who support and a law that should be incentive ends up encouraging only offering you return. An economy like ours, whose business community explores everything but the Arts could not live without crisis. A country that has not yet discovered the potential and power of the arts trade can not complain of bad days it goes through. A little off the art scene, but within the sphere of Culture, observe sports. It has left the impression that sport in Brazil is only football, so it creates an entire logistics apparatus, structure and trade around this sport, as the generations to come begin to forget about sports for decades were present in schools, streets and entertainment venues as handball, volleyball, basketball, anyway. When the media gets involved collides with the lack of structure of States in the area of ​​sports. What we have are courts, often in smaller sizes than the official, situated in private places, accessible denotes a bureaucracy such that inhibits the will of any infant to the practice of any sport.
  Returning to the theme of Arts, haul here a proposal to the Lords Chancellors, Academic Institutions Administrators of Brazil: Gather your students in the areas of arts and promote an unprecedented project in the country Put students to garimparem the streets of their states, artists there. They make exhibitions of their work. Students to judge, according to their areas of academic background and present these works will public with the class guarantee. Gather all this material collected in all States and promote a huge digital catalog of artists. Request government support for it. Seek in schools, in homes, in the workplace. There is always an artist "hidden" working and what needs to be cataloged and recognized. The academy recognizes the cultural values ​​of those who have not had chance to get to it, but who daily produce brilliant works that add important cultural asset to the memory of the country.
  That open the doors of trade for artists to have the dignity to live their art and they can through this trade, strengthen the economy, generate wealth and income in Brazil. That art ceases to be marginal and pass to become a symbol in our flag and that finally we become the largest producer of Arts that the world has ever seen. There is potential, yes! What is lacking is political will, joint will and entrepreneurial vision. Many artists are born and die without ever having their work recognized. Die in anonymity without ever having contributed to the economy. It is necessary that art is no longer a privilege available to few and pass a law to everyone, so everyone will profit and finally the artists will be able to settle down and live on what they produce.

  Text Writer Tony Casanova. All rights are reserved to the author is prohibited to copy, paste, reproduction in any medium or disclosure of any kind of all or part of it, except for the shares on social networks whose claims of the author's content and third parties are safeguarded and content kept intact as shown on this page. Violation of these rights constitutes a crime and is passive appropriate legal punishment in accordance with Brazilian law and International Protection of Intellectual Property Rights.

............................................................................................................

El Arte y la Economía | La dura realidad | De Tony Casanova

 Una de las más bellas formas de arte, en mi opinión son la época antigua o Esculturas.do contemporáneo, que son mágicas, casi real y con un gran poder de encantamiento. Y las esculturas son sólo una forma de expresión artística que conocemos. Quién no quede hipnotizado por el Teatro, Danza, Música, Pintura, Libros, Cine. Sería maravilloso si hoy la realidad brasileña era diferente y el Gobierno decidió llevar más allá de las paredes de los colegios y escuelas, toda la colección de arte que Brasil tiene. Desafortunadamente las Artes no son parte del menú de Brasil, no porque no existan, sino porque nos enseñaron a gusto de ellos, pero en las escuelas. Es público y notorio serie de artistas que tiene el país, pero pocos en vivo de sus obras. Este hecho se debe en primer lugar la ausencia de consumo en la industria, de acuerdo con la falta de incentivo para que los que producen, tercero la falta de infraestructura para albergar, presente y comercializar la producción. Decir que no tenemos políticas para el fomento de la Cultura y las Artes es falso, hay leyes de apoyo sí, pero por desgracia, el proceso es tan burocrática y de difícil acceso sólo "celebridades", dejando de lado a los que todavía no tienen reconocimiento. Pocas personas fuera del arte mundial conocimientos de la burocracia para conseguir apoyo legal para un proyecto cultural, se piensa entonces que los artistas "no quieren" a participar. ¡No es verdad! El hecho es que las leyes existentes de nuevo a aproximadamente los niveles de Teatro, Cine y Televisión, dejando la mayor parte de los artistas de fuera. No es difícil bajo la impresión de que el arte en Brasil se reduce únicamente a estas ramas.
  Lo que vivimos es un juego político en el que apoya a quienes apoyan y una ley que debe ser incentivo termina alentando sólo ofrece regrese. Una economía como la nuestra, cuyo negocio comunidad explora todo, pero las Artes no podían vivir sin crisis. Un país que aún no ha descubierto el potencial y el poder del comercio artes no puede quejarse de los malos días que pasa a través. Un poco fuera de la escena del arte, pero en el ámbito de la Cultura, observe los deportes. Se ha dejado la impresión de que el deporte en Brasil es sólo el fútbol, ​​por lo que crea un aparato, la estructura y el comercio de logística enteras en torno a este deporte, como las generaciones venideras comienzan a olvidarse de los deportes durante décadas estuvieron presentes en las escuelas, calles y lugares de ocio como el balonmano, voleibol, baloncesto, de todos modos. Cuando los medios de comunicación se involucra choca con la falta de estructura de los Estados en el ámbito de los deportes. Lo que tenemos son los tribunales, a menudo en tamaños más pequeños que el funcionario, situadas en lugares privados, accesible denota una burocracia tal que inhibe la voluntad de cualquier niño a la práctica de cualquier deporte.
  Volviendo al tema de las Artes, transportar aquí una propuesta a los señores Cancilleres, académicos Instituciones Administradoras de Brasil: Reúne a tus estudiantes en las áreas de artes y promover un proyecto sin precedentes en el país Ponga a los estudiantes a garimparem las calles de sus estados, artistas allí. Ellos hacen exposiciones de su trabajo. Los estudiantes a juzgar, de acuerdo a sus áreas de formación académica y presentar estas obras públicas con la garantía de la clase. Reunir todo este material recogido en todos los Estados y promover una enorme catálogo digital de los artistas. Solicitar el apoyo del gobierno para ello. Busque en las escuelas, en los hogares, en el trabajo. Siempre hay un artista "oculta" de trabajo y lo que hay que catalogar y reconocido. La academia reconoce los valores culturales de los que no han tenido la oportunidad de llegar a ella, pero que a diario producen obras brillantes que añaden valor cultural importante a la memoria del país.
  Esto abrirá las puertas del comercio para que los artistas tienen la dignidad de vivir de su arte y que pueden a través de este comercio, fortalecer la economía, generar riqueza y renta en Brasil. Que el arte deja de ser marginal y pasar a convertirse en un símbolo de nuestra bandera y que, finalmente, nos convertimos en el mayor productor de Artes que el mundo haya visto jamás. Existe la posibilidad, sí! Lo que falta es la voluntad política, voluntad conjunta y visión empresarial. Muchos artistas nacen y mueren sin tener su trabajo reconocido. Muere en el anonimato sin haber contribuido a la economía. Es necesario que el arte ya no es un privilegio al alcance de pocos y aprobar una ley para todos, así que todo el mundo se beneficiará y, finalmente, los artistas podrán establecerse y vivir de lo que producen.

  Escritor del texto de Tony Casanova. Todos los derechos están reservados al autor está prohibido copiar, pegar, reproducción en cualquier medio o divulgación de cualquier tipo de la totalidad o parte de ella, a excepción de las acciones en las redes sociales cuyas demandas de contenido del autor y terceros están resguardadas y contenido mantiene intacta como se muestra en esta página. La violación de estos derechos constituye un delito y es un castigo legal apropiado pasiva de acuerdo con la ley brasileña y Protección Internacional de los Derechos de Propiedad Intelectual.  

Postagens mais visitadas deste blog

Estrelas | O brilho de Irandhir Santos | Velho Chico

Seu nome é Irandhir Santos Pinto, mas recentemente ele passou a ser conhecido carinhosamente como "Bento", personagem do ator na novela Velho Chico da Rede Globo de Televisão que é exibida em Horário Nobre. Nascido em Pernambuco em 22 de Agosto de 1978, o ator com seus 38 anos vem dando um show de interpretação vivendo o personagem irmão de Santo dos Anjo, personagem do não menos talentoso Domingos Montagner.    Bento é um personagem que guarda o trauma da morte do pai e do Capitão Rosa, assassinados a mando do Coronel Saruê, um latifundiário temido na região por suas ações sempre violentas e egoístas. Irandhir entrou no personagem de tal maneira que em cena é impossível separar o ator em meio ás turbulências vividas por Bento. Mesmo já tendo trabalhado no elenco da Globo em atuações em A Pedra do Reino (2007),  Amores Roubados e Meu Pedacinho de Chão (2014), atuado em vários peças teatrais e em vários filmes que lhe renderam prêmios na sua área profissional, é possível dize…

Conto - Minha primeira vez com uma tímida.

Eu tinha 36 anos quando conheci Ana. Ela apesar de linda e muito simpática,era também tímida, pouco falante. Possuía um sorriso bonito, uma expressão jovial e uma pele clara que contrastava com seus olhos castanhos mel. Trabalhávamos juntos numa repartição pública, num convívio normal, sem muitas aproximações senão as do trabalho. Um dia me surpreendi quando a encontrei folheando a minha que ficara sob o bureau no dia anterior. Nela eu escrevia meus contos e poesias sempre que possível e quando a inspiração me visitava. Ao ser surpreendida ela envergonhou-se e ficou muito nervosa, quase saindo ás pressas da sala.
- Gostou? Perguntei-lhe.
- Sim - Respondeu-me a moça ruborizada.
- Pode levar se quiser, depois voce me devolve.
- Não, voce pode precisar! Perdoe-me por bisbilhotar suas coisas, mas a página estava aberta e eu resolvi ler, me desculpe.
- Calma Ana, não precisa desculpar-se, mas eu só te perdoarei se prometer que vai continuar a ler meus textos. Combinado?
- Tudo bem, mas me…

Android - Vulnerabilidade e falhas no Sistema (BroadAnywhere) - [Tony Casanova]

Desde que foi implantada a coqueluche dos Smartphones, Tablets e Iphones com Sistema Operacional Android que a adesão de novos usuários vem aumentando graças as redes sociais e as facilidades de acesso a conteúdos como fotos, e-mails e documentos. Óbvio que o SO Android agradou em cheio os internautas e o seu desenvolvedor a Google Corporation, que vem lucrando bastante com esta importante implementação na história da internet. A gigante Americana propiciou ao mundo acesso rápido e fácil ás informações e o compartilhamento delas, mas eis que surge um enorme problema que as autoridades de desenvolvimento estão enfrentando com o SO Android; a vulnerabilidade. Recentemente surgiu uma das maiores dores de cabeça que usuários e desenvolvedores enfrentam chamada BroadAnywhere, uma vulnerabilidade que segundo a Cheetah Mobile, uma das autoridades desenvolvedoras de softwares de segurança para Android, abre portas para ataques hackers em praticamente 99% dos dispositivos, mesmo os que estão a…